Fortuna Literária - Cesar Poletto

Poetizar é exteriorizar, é exaltar o belo, e, acima de tudo, embriagar-se com a vida.

Textos

O AMOR TEM SETE LETRAS
Caibamos nesse amor magnífico a se avizinhar
Saibamos da sua inusitada e perpétua visita
Pairamos sobre o ar sem asas de pergaminho
Ceifamos males tortos, insípidos e dissimulados.

Colhamos a mais leda rosa viciada em sentimento
Da seda pura extraiamos a essência casta, poço a jorrar o exsudado caldo.

Passemos a lançar entreolhares mudos, silentes e arrebatadores
Na sapiência exata do verso, sob imbricadas vestes.

O coração a se despir do pejo, do orgulho, do medo, das sombras
Quais sombras?
O sol se debate e range em nosso florido quintal
Não há rascunho, não se pede clemência, há toda e incerta urgência.

Então, vivamos!
Extraiamos do gerânio o cancro, e a seiva brotará, maravilhosamente!
Que não nos falte o arrojo...
Que não nos boicotem as manhãs...
Conheçamos as azinhagas pedreguentas e nos depararemos com o êxtase final:

Aquele secreto, muitíssimo raro e assaz exclusivo deleite universal.
Cesar Poletto
Enviado por Cesar Poletto em 20/07/2020
Copyright © 2020. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras