Fortuna Literária - Cesar Poletto

Poetizar é exteriorizar, é exaltar o belo, e, acima de tudo, embriagar-se com a vida.

Textos

RAZÃO MANAUARA
E se a mim clamasse a pressa?
Estariam presentes notas de porvir
Todas envelhecidas, sob fel e pó
Ao encanto deixado num por de mar eterno.

Um berço, a onda derradeira
A lavar a lavra dos deuses
A me aturdir com arpejos sonoros
À prova e ao ceticismo da imensidão
Das dores pretéritas, das aulas da vida.

E se a mim se recusasse a prosa?
Numa vespertina lembrança
Do gosto e do pejo do vinho em botelha
Da picardia bendita, do fim do holocausto.

Uma tora e estalar na lareira
Um mosto a fermentar, um bojo
O olor da madeira mais doce...
A degustar!

E se a mim se refestelasse a sorte?
Sob a casta essência dum prognóstico em vezo
A tal beleza cândida, o cântico ao ar
A certeza plena de um beijo, um barco e o céu.
Cesar Poletto
Enviado por Cesar Poletto em 26/06/2020
Copyright © 2020. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras