Fortuna Literária - Cesar Poletto

Poetizar é exteriorizar, é exaltar o belo, e, acima de tudo, embriagar-se com a vida.

Textos

EPÍLOGO
Rastejo das coisinhas mundanas, insípidas
'Toc toc' e ei-la cá novamente
Antecipando o fim.

Nobre exímio sentimento do cio
Aquele plangente de outrora
- rabiscado a lápis -
Enternecido.

Embora saiba de onde vem
Meus 'eus' aflorados e em sangria inda pasmam.

Deu-me um ósculo e se ausentou
Morreu devagarinho, aos montes, de roldão.

Raspa a raiz do fleimão e se se estende muito
Sem propulsão, à deriva
Marolando, marulhando, de pé.

Meu nigérrimo verso só oculta a capa
E suga a manteiga
Tudo é solidão!

O pó ofuscante do dia tórrido
Far-me-á nunca esquecer
Meus rejeitos pobres, abjetos.

Far-me-á ocultar a leda prima
Vingativa, pífia
A beleza lânguida, ostentadora.

Ao dobrar tal esquina
Enviesado olhar extingue a perpétua pena
No rosto sem face da fase mais semântica do amor.

'En passant'!


Cesar Poletto
Enviado por Cesar Poletto em 31/01/2019
Alterado em 31/01/2019
Copyright © 2019. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras